Todos os posts de raphafreak

House You com força total!

A cena “House Music” sempre esteve presente no Brasil, desde o boom no final dos anos 80 com clássicos de Derrick May, Frankie Knucles, Guru josh e posteiromente com Daft Punk, são artistas conhecidos dos Djs e amantes da Musica Eletrônica, fenômeno mundial que sempre esteve pulsante e adquire novos adeptos todos os dias.

houseYouBanner

Dia 11 de Março, a House You traz a Belém a vivência do movimento “House Music” e convida um time de Dj’s que vai energizar a noite paraense, entre eles o convidado de São Paulo, Dj Anderson Soares (Urbano Records), apresenta seu set recheado de groove e soul pra não deixar ninguém parado, junto a ele, na mesma noite teremos: Arnaldo Miranda, Rafael Dourado, Márcio Vasa, Pedro Oliveira e VJ Kauê lima. Confira nossa rápida entrevista com eles!

houseYou

A.M.E – Dj Anderson Soares da Urbano Records se apresenta em Belém numa festa especialíssima pros amantes da musica eletrônica, apresente-se e nos conte um pouco da sua história:

Anderson – Meu nome é Anderson Soares, nasci e cresci em São Paulo, tenho 26 anos de carreira como DJ e Produtor. Minha carreira começa no início dos anos 90, tocando em clubs e rádios da capital e do interior de São Paulo.

No final dos anos 90, eu já tocava por todo o Brasil e começava a trabalhar meus primeiros remixes. Daí pra frente, lancei a compilação “House Essentials” (2001) e o álbum “muito soul” (2005), ambos pela gravadora Trama, e me apresentei em vários países tanto na América do Sul, como também nos Estados Unidos e Europa. Sempre tocando House Music, com fortes influências de Soul, Funk, Jazz, Latin, Afro e Disco.

Esse monte de influências somadas me proporcionam uma grande variedade de possibilidades, de sonoridades, e foi daí que minha carreira engrenou. Com muita pesquisa musical, com meu próprio aprimoramento não só na técnica de mixagem mas também no modo de conduzir uma pista e de fazer as pessoas dançarem.

Atualmente, como você já adiantou, além do trabalho como DJ eu tenho meu próprio selo, o Urbano Records. Então convido à todos para visitar nosso site, urbanorecords.com pra ouvir e saber mais sobre meus trabalhos.

15895566_1211111505603682_7619060528819163602_o
A.M.E – Já teve alguma experiência em terras paraenses?

Anderson – Sim, já estive aí duas vezes. Em Belém e em Salinas também. Já faz bastante tempo, e eu estou achando muito legal poder tocar aí novamente. Vai ser ótimo poder rever amigos, fazer novos amigos e poder trocar essa energia positiva que a música proporciona quando a gente se encontra na pista. Quero ver todos lá!

A.M.E – Durante sua carreira muita experiência foi acumulada, dentre as histórias vividas, momentos engraçados e inesquecíveis, tem alguma que gostaria de compartilhar com os ‘Apreciadores’?

Anderson – Muita coisa aconteceu com certeza nesse tempo, tantas que fica difícil lembrar de uma. A primeira gig em NYC, que é um dos grandes berços do meu estilo. Tocar no réveillon na praia de Copacabana pra mais de 300.000 pessoas, ou a noite que toquei na Ministry Of Sound em Londres, dividir a produção de remix com o duo Blaze, lançar pela West End Records, ver Tony Humphries dançando na minha pista…
A construção do Urbano Records que tem sido muito prazerosa… Nossa! Acabei falando um monte! São momentos muito emblemáticos da minha carreira, obrigado por me fazer parar pra pensar, e lembrar de cada um deles.


A.M.E – Nós que agradecemos, valeu Dj Anderson Soares, estamos ansiosos para a festa que promete agitar a noite paraense com muita dance music, bem vindo ao AME e sinta-se em casa.

Produtor de Techno e nosso amigo já conhecido dos Apreciadores, Arnaldo Miranda recém chegado de uma tour em terras europeias abre as malas na capital e nos conta um pouco do rolê.

05
A.M.E – Compartilhe com a gente um pouco da sua experiência na sua recente tour pela europa:


Arnaldo – Foi uma viagem incrível, pude aprimorar minha visão de mercado como homem de negócios e como artista também. Foram 4 apresentações em clubes pequenos, porte para 150 pessoas, foi uma vibe bem intimista. Foram 22 dias viajando e conheci 6 países, tive tempo para turistar um pouquinho também rs.

 

A.M.E – O que mudou no Arnaldo Miranda(pessoa) e no Arn(projeto) após essa trip?


Arnaldo – Amadureci a minha visão o suficiente para dar o próximo passo na minha carreira, expandir para novos horizontes é a pedida este ano de 2017.


A.M.E – Trouxe alguma coisa na mala pra apresentar na Metropolis House?


Arnaldo – Sem dúvidas, trouxe a boa música do velho continente na bagagem e vou balançar as estruturas do baron music com um set bem envolvente de dançante.


A.M.E – Valeu Arnaldo, sucesso sempre!
Nossa entrevista segue com Márcio Vasa.


avatars-000031104050-h4kjar-t500x500
A.M.E – Dj Vasa, conhecido na cena da musica eletrônica paraense vai comandar a nave sonora junta com um line ‘housera’ de peso, apresente-se pra comunidade e pro mundo:


Márcio –  Ser DJ foi uma consequência da minha paixão por pesquisa musical, aprendi a tocar observando, desde a década de 90, alguns nomes da cena nacional como o DJ Marcelo “Memê” Mansur (RJ), mas assumi como profissão a pouco mais de 10 anos. Sem dúvidas, minhas influências são da música negra e latina, perceptíveis nas linhas de percussão, vocais e baixos das setlists. Confiram no Mixcloud (mixcloud.com/MarcioVasa), Soundcloud (soundcloud.com/marcio-vasa) e no Instagram (@marcio_vasa).


A.M.E –  Na tua opinião, o que mudou e o que se mantém no movimento house music atual?


Márcio – É indiscutível o impacto da tecnologia atual na house music, onde é muito mais “simples” e “barato” obter e produzir tracks, mas fatores como conhecimento, profissionalismo e comprometimento estão ainda mais determinantes para fazer a diferença neste contexto.



A.M.E – Seus sets tem uma pegada oldschool house? ou toca freestyle, misturando novidades com clássicos?


Márcio – Como a pegada oldschool faz parte da minha formação, não deixo de incluir, mas o lance de tocar bootlegs com que há de tendência fazem minha cabeça pirar e sinto o reflexo disto na pista, sou democrático.


A.M.E – Agradecido pela entrevista Vasa! Continuamos com as perguntas feitas pelo nosso colab Tohany, aos Djs Rafael Dourado e Pedro Oliveira.


avatars-000184944603-77zo4p-t500x500
A.M.E. – Dourado, você já trabalha com eventos desde a antiga MONDO. Retornando aos trabalhos, quais suas perspectivas para a House you, este ano?


Rafael – As melhores possíveis, é um momento de renovação e reconstrução de um movimento que estava esquecido e apagado desde tempos atrás.


A.M.E. – Com todos esse anos vivenciando a Cena de E-music Underground em Belém, o que tens percebido em relação a fazer eventos?


Rafael – É extremamente complicado fazer eventos por aqui, você não tem incentivos e muito menos patrocínio pra nada. E o público em sua grande maioria não sabe o que quer, reclamam muito quando não há um evento bom por aqui e quando tem dificilmente valorizam.



A.M.E. – Antigamente eras um dos produtores da MONDO, que já trouxe alguns nomes conhecidos nacionalmente à Belém. Este ano alçarás novos vôos, com a Caravana MONDO para o Festival Universo Paralello #14. Como é a experiência de levar pessoas à um Festival de Música Eletrônica?

 

 Rafael –  Realizadora, visto que você está levando a pessoa pra conhecer muito mais à fundo de tudo o que se relaciona diretamente com arte, música, costumes e cultura. E nada melhor do que um dos maiores festivais do mundo para as pessoas sentirem tudo isso da forma mais verdadeira possível.


13417627_1729910017251954_3729535661865891430_nA.M.E. – Pedro, como se deu o início de seu caminho como DJ e produtor de música eletrônica?


Pedro – Tudo começou logo quando fui na minha primeira festa, nos clubs indie da cidade. Com 15 anos, discotequei pela primeira vez no porão do Café com Arte, uma mistura de synthpop com indie rock. Alguns anos depois, resolvi me aprofundar mais em técnicas de mixagem e comecei a produzir música eletrônica. Não demorou muito para eu ir na minha primeira festa de techno, aonde me apaixonei pelo gênero.


A.M.E. – Quem são suas referências nesse caminho?

Pedro – Maceo Plex, DJ W!ld, Victor Ruiz, Alan Fitzpatrick e Stephan Bodzin são, sem dúvidas, os artistas que mais me inspiram e me motivam a continuar nesse caminho. Sem contar o incentivo do meu amigo Arnaldo Miranda que me ajudou desde o início dessa jornada.



A.M.E. – Escolhestes o Techno como vertente, o que mais gostas nesse estilo musical?

Pedro – O que mais gosto no techno é a imprevisibilidade. A expectativa que as faixas geram. É único. Inesperado. O techno é um gênero que me surpreende a cada segundo. Me deixa extasiado.

17078440_10210711164729505_1387381034_n

 

A.M.E. – Agradecido a todos os artistas envolvidos, sucesso e vida longa a música, que venha a HOUSE YOU!!!
 

A.M.E entrevista Onionbrain

Bruno “Onionbrain” Azalim é referência nacional e internacional se tratando de psicodelia noturna, produz sons que transitam entre as batidas marcantes do prog-dark ao ritmo acelerado do hitech, idealizador dos projetos Onionbrain, Atropp e Nargun junto com Juliano Bcheche, que irão comandar as ondas na Árvore Da Vida – Parte2  (Floresta Amazônica Org.), junto a um time seleto de dj e artistas regionais nos dias 24 e 25 setembro.

13912598_739950296146575_8441374251299421104_n
Divulgação oficial do evento

A.M.E – Qual foi o primeiro contato com Musica Eletrônica e/ou Trance?

BRUNO – Sempre gostei de rock n’ roll… Conheci o psytrance em 2004. Na época eu tocava em bandas de rock e reggae, e um dos amigos que tocavam comigo me mostrou um som: 1200 Mics – DMT.  Achei beem interessante e comecei a pesquisar a partir dali.

A.M.E – Como foi a decisão de produzir?

BRUNO – A decisão de produzir veio antes de frequentar festas de música eletrônica. Naquela época (2004-2005) eu tocava em bandas, mas na virada para 2006 tive que me mudar de cidade e estado , e não conhecia ninguém que tocasse. Deixar a música de lado estava completamente fora de cogitação, então comecei a estudar produção musical.

A.M.E – Como é visto o material brasileiro no exterior?

BRUNO – Não penso que há uma diferenciação especificamente pelo material ser brasileiro. O material de qualidade daqui ou de qualquer outro lugar do planeta é visto com respeito e admiração pelos apreciadores da música. O psytrance é global, está acontecendo em cada canto do planeta o tempo todo, mas vale ressaltar que o Brasil tem ocupado um papel de destaque pelo seu tamanho. Por ser um país muito grande e populoso, temos muitas festas e projetos acontecendo o tempo todo, e como consequência , alguns se destacam e recebem o reconhecimento de fora também.

 

10314601_1215195015174502_3492503602786095646_n
Nargun

A.M.E – Algum projeto a ser lançado nos próximos meses?

BRUNO – Os 3 projetos (Onionbrain , Nargun e Atropp) estão a todo vapor, mas sem muitos lançamentos agendados, pois estão todos no processo de produção dos respectivos álbuns.. Tem muita música vindo por aí, mas sem data prevista de lançamento. Algumas, inclusive,  já estão sendo tocadas nos sets mais recentes.  =)

A.M.E – Qual a situação mais inusitada em alguma apresentação?

BRUNO – Mmmm pergunta difícil.. São muitas situações memoráveis.. Acho que a última que me lembro foi encerrando o set no festival Ometeotl no México, e de repente o xamã que estava conduzindo as cerimônias energéticas de todo o festival estava ali no palco comigo, tocando junto com a música e a cantando.. Foi mágico!

A.M.E – Já teve alguma experiência aqui no pará?

BRUNO – Eu vivi em Serra dos Carajás por quase 2 anos quando ainda era um bebê.. hahaha   mas isso não conta né!  Como músico vai ser a primeira vez e estou ansioso!

A.M.E – Estamos todos ansiosos, valeu pela entrevista Bruno, espero que sua visita as matas amazônicas seja de grande inspiração, parabéns pelo sucesso e grande avanço no material sonoro e nos festivais que promovem, acompanho a cena mineira a uns anos e noto o empenho em trazer a melhor experiência aos amantes da cultura psicodélica, a gravadora Uroboros de força exponencial e junto a grandes artistas como Minimal Criminal, TTRoots, Fabio Leal e muitos outros.

Estamos aguardando a festa que carrega o  conceito da celebração, prosperidade e muito psy-trance aos amantes, vida longa a Floresta Amazônica Org. que realiza esse evento e traz grandes artistas.

14188158_753785428096395_3988791993365829569_o
LIVES + ABSYCHO(LIVE)

E uma tribo de Disco Jockeys de revolucionar a mente e tremer a terra.

14372333_762200947254843_2956895465825016825_o
Line Up completo – Forest & Chillaz

O grupo  ‘A.M.E’ apoia e faz parte desse evento de grande significado desde sua concepção, vida longa a Floresta Amazônica e seus filhos de valor, TMJ!