A.M.E. Entrevista Alien Forest

Sempre explorando o universo Amazônico da Música Eletrônica, vou buscando nas matas adentro as pistas de inteligências impressionantes. Inteligências alienígenas que por aqui passaram deixando seus rastros no comportamento musical e nas sonoridades psicodélicas e atmosferas dançantes de elevadas batidas por minuto. E representando parte do segmento musical noturno, trabalhando seja com o Forest Trance, ou com o Dark Trance e Psycore, Thúlio Barreto, assume os pseudônimos de Alien Forest e Milº. E assim sendo, vamos fazer algumas perguntinhas a fim de conhecer mais sobre este enérgico ser da floresta.

A.M.E. – Como iniciou sua trajetória com a música eletrônica?

Thúlio – Meu interesse peIa mixagem começou quando vi queo que eu gostava não estava presente nas festas em Belém. O interesse em aprender a tocar veio junto com o interesse em fazer festa, pois um completaria o outro. No ano de 2014 por volta de abriI, eu, juntamente com Kássio Porto e Barbara MeIo, resolvemos criar uma festa voltada para sons noturno, pois curtiamos o estiIo e tinhamos que viajar para poder curtir uma festa do tipo, surgindo assim a Floresta Amazônica Org., ao mesmo tempo, eu e Kássio, nos inscrevemos em um curso de mixagem para aprender a tocar e tentar difundir aquiIo que gostamos, o resultado foi super positivo, hoje temos (em Belém) outras festas voltadas para o estiIo e muitos djs que optaram por tocar as vertentes noturnas.
14344053_757533404388264_7521911030568090917_n
Logo: Floresta Amazônica.org

A.M.E. – Como você define os sons que cultivas em seus dois projetos, Alien Forest e 1000º?

Thúlio: Comecei com o Mil°, onde eu tocava sons acelerados, HiTech, Dark e um pouco de PsyCore. Fazia mudanças de Bpm’s bruscas onde causava a confusão mental através de suas variações de aceleração, além de escolher músicas com quedas e ambientações bem longas. Percebi que os produtores (de evento) tinham uma certa dificuldade de aceitar e até mesmo entender aquilo (ahuahuahu )então mudei o foco é criei o Alien Forest, onde sigo a linha do estilo Forest, e procuro sempre músicas diferenciadas, com sons bastantes psicodélicos,  sons florestais, bastante sintetização e introspectivos, muitas variações de batidas e com bastante quedas durante as músicas ( características que trago do outro Projeto Mil°).

Descrevendo em uma narrativa o Alien Forest “Cria uma atmosfera e ambientação bem densa, conduzindo sua apresentação em uma sonoridade com linhas de baixo marcantes que variam todo o tempo, levando a introspecção da mente. Com sons Alienígenas e Florestais ao mesmo tempo, conduz a mente ao transe e a euforia do momento ao mesmo tempo.”

13339501_1312714975423618_1585542680212143291_n
Alien Forest

A.M.E. – O que vamos encontrar em seu case?

Thúlio – sempre segui a Iinha da Parvati Records (Derango, Farebi JabeIi, Nargun, EIowinz…) hoje procuro bastantes musicas com a pegada diferenciada, com baixos diferentes, e que se modificam durante a musica. Hallucinogenic Horses, Uttu, Pandoras Box, Hutti Heita, etc…

A.M.E. – Em busca de experiências, quais eventos e festivais pelo Brasil você já frequentou e o que busca aprender com eles?

15086988_1149379668478227_1248501335_n
Sansara Festival 2013

Thúlio – Zuvuya, Universo ParaIeIIo, Ressonar, FestivaI Fora do Tempo e muitos outros. Procurando sempre extrair o meIhor, troca de Culturas, experiências, pensamentos, energias, e agregar valor ao mesmo da mesma forma.

A.M.E. – Como está sendo a experiência com produção de eventos na Capital Paraense?

Thúlio – Falando como pessoa, me sinto realizado, pois depois de dois anos que comecei nesse ramo, vi muitas coisas crescerem: a qualidade das festas, a diversificação sonora, intervenções artísticas, decoração, e vi também o crescimento do público. Hoje eu acredito que no Brasil inteiro, não há nenhuma cidade que viva atualmente a música eletrônica como em Belém, se parar para ver, quase todo o fim de semana tem pelo menos 1 festa voltada para o segmento, coisa que a anos atrás era raridade. Hoje em dia pode se dizer que há um certo tipo de banalização, infelizmente é essa a melhor palavra à ser usada. Como em uma música do Charlie Brown Jr diz: “muita gente tem forma, mas não tem conteúdo “.

14711417_772294729578798_5163082822849495677_o
Floresta Viva 30/09/2016
14481897_769039646570973_5193711371622649268_o
Árvore da Vida 24/09/2016

A.M.E. – E quanto aos seus projetos, o que vem por Quanto aos seus projetos, o que vem por ai de novidade?

Thúlio – Novidade é sempre pesquisar, sempre modificar algo, adaptar outro e seguir suas idéias, sou meio chato com isso, tenho minhas idéias formadas e tento transmiti-las quando estou tocando, afinal, somos o que transmitimos, e eu transmito o que acredito.

14917139_1133460510070143_3281800043088707274_o
A Xuxa Tinha Razão, Lincoln B-Day 2016

A.M.E. – Deixe uma mensagem para seus ouvintes e nossos leitores.

Thúlio – O desconhecido as vezes pode se tornar o novo. Não tenha medo de mudanças, as vezes elas vem pra melhor, só sabe disso quem vive experiências novas, saia de sua rotina e abra sua mente ao novo.

15087000_1149379718478222_80788949_n

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s